Páginas

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

A foto e a farsa...

O Blog "O Cafezinho" do Miguel do Rosário, publica um texto que mostra coisa ainda não notada: nas fotos que "provam" a relação entre o ex-presidente Lula e o arquiteto da OAS no processo em que ele é indiciado pela Polícia Federal, fica evidente a manipulação grosseira da fotografia que chama a atenção por retratar Paulo Gordilho de forma distorcida. 

Pelo andar do processo a Polícia Federal brasileira está se tornando milícia armada dos evangelizadores do Ministério Público Federal nesta nossa República dos Bananas...  



A PF foi enganada por uma criança de cinco anos? Vale tudo contra Lula e Dilma

Untitled 4
Por Bajonas Teixeira de Brito Junior, editor de política do Cafezinho
Ontem a Globo divulgou o que seria um grande achado da Polícia Federal, duas fotos de um ex-diretor da OAS com Lula ao fundo. Se, contudo, as imagens estiverem no arquivo eletrônico com a mesma resolução com que nos foram mostradas, dificilmente deixarão de ter a autenticidade  contestada.
Nas duas imagens, o rosto de Paulo Gordilho, que aparece sobre o fundo branco de uma geladeira, lembra mais um meme que uma foto. Ou melhor, há memes em que os contornos são muito melhor realizados, imensamente mais naturais, e deixam uma fresta muito menor para dúvidas. Observe-se o contorno do rosto que destacamos com duas linhas amarelas abaixo. A impressão que dá é que foi feito um recorte com tesoura, colado em seguida sobre o fundo branco da geladeira. Será apenas o efeito de uma resolução muito baixa? Ou a resolução está muito baixa para encobrir uma edição que, de outro modo, ficaria evidente?
Foto com contorno em amarelo

A Polícia Federal deve perguntar-se se não está sendo alvo de uma pegadinha de alguma criança de cinco anos. Ela terá que descobrir, caso não tenha imagens em melhor resolução para nos mostrar, em que jardim de infância esses memes foram produzidos.  (Em tempo: a segunda foto, que usamos para ilustrar o artigo, em que o rosto de Paulo Gordilho quase desaparece na escuridão das sombras, é ainda mais curiosa.)
Seja como for, o velho truque da dobradinha imagética em que uma notícia, como ou sem fundamento,  é usada como isca para capturar a atenção do público, permitindo que a entrada em cena desta última seja sentida como natural, foi usado novamente. Primeiro as duas fotos introduziram, ontem, um clima de suspeita – e se pode dizer coisas como “causa estranheza que Lula diga que não conhece Paulo Gordilho e apareça em foto com ao lado dele”. Hoje, sobre esse fundo já preparado, foi colado o indiciamento pela Polícia Federal. A escolha da data para a divulgação desses fatos – ontem, do Relatório da PF e as fotos, e hoje, do indiciamento –, não poderia ser mais óbvia. Chegaram a tempo e a hora, numa pontualidade britânica que no Brasil só ocorre em coisas bem planejadas.  Foram produzidos e divulgados para causar impacto sobre o julgamento do impeachment no Senado. Mas também, inversamente, para fazer com que o clima tensionado pelo julgamento, ajude a confundir a opinião pública sobre a ligação com o crime que querem imputar a Lula.
A Globo, na práxis feroz que tem adotado, deu uma manchete garrafal e a manteve a tarde inteira na home do G1:
Machete garrafal
A defesa foi rápida em caracterizar os crimes atribuídos a Lula como “mera peça de ficção”, com "caráter e conotação políticos". Sobretudo, a pressa e o desleixo na produção dessa acusação, o que faz suspeitar de muitos outros defeitos não tão visíveis, permitiram o erro grosseiro de indiciar Lula e Marisa por corrupção passiva,  cuja premissa exclusiva é o de tratar-se de funcionário público, o que evidentemente não é o caso dos dois:
"Lula e sua esposa não são proprietários do imóvel que teria recebido as melhorias; não são funcionários públicos, que é a premissa do crime de corrupção passiva; Lula não participou da contratação indicada no relatório, de forma que o relatório pretende lhe atribuir a prática de um crime sem que ele tenha qualquer envolvimento (responsabilidade objetiva, estranha ao Direito Penal)".
Assim como o baixo nível de resolução das fotos-memes, o baixo nível do indiciamento que estamos assistindo mostra uma decadência geral do nível de profissionalismo no país. Tudo parece ficção. Infelizmente, porém, como estamos cansados de constatar, a ficção, mesmo a mais rasteira, é justamente o combustível do golpe que estamos vivendo.
As farsas, que em qualquer outro lugar envergonhariam os autores, aqui servem, ao contrário, justamente por sua desfaçatez, para consolidar a unidade, o espírito grupal, dos condutores políticos e das massas de classe média irmanados no golpe. Seja como for, é sempre bom deixar claro que eles só enganam a eles mesmos.

O pavio foi aceso...

O indiciamento do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em inquérito da "Operação LavaJato" pela Polícia Federal pode ter uma leitura bem diferente no andar da crise política que se instalou no Brasil: a PF acendeu o pavio de uma convulsão social ao indiciar Lula com base em fatos inexistentes, propriedade que não se comprova e meras ilações de ligação do ex-mandatário com um arquiteto com base em fotografias que nada dizem. 



E uma ação temerária que coloca em risco a própria estabilidade institucional do País e clara ação de ordem política por policiais federais que já demonstram esse partidarismo usando imagem de Dilma Rousseff como alvo para treinamento de tiro. 

O futuro nos dirá dessa inconsequência e seus efeitos.

Moro, um fora da Lei?

 O Jornal GGN publica texto de autoria do ex-delegado da Polícia Federal Armando Rodrigues Coelho Neto que analisa a atuação do sr. Sérgio Moro que se apresenta Salvador da Pátria além de Juiz titular da 13ª Vara Federal em Curitiba. E uma boa lição de direito e de como a lei é aplicada em plagas paranaenses...

Eis que Moro confessa suas ilegalidades

por Armando Rodrigues Coelho Neto (*)




Quando o Tancredo Neves morreu, sem ainda ter assumido a presidência, as mais suspeitas figuras surgiram com pareceres para dizer não apenas que José Sarney era o presidente, mas que Dona Risoleta Neves tinha direito a pensão de viúva - daquele que foi sem nunca ter sido. Na minha vigilância constante de não confundir o leitor, não quero entrar no mérito do que foi ou não foi o tal Sarney, nem afrontar a bondosa senhora das Minas Gerais. Quero apenas dizer que à época corria nos bastidores uma crítica a certo Saulo Ramos: no Brasil tem parecer jurídico pra tudo. Até pra dizer que Sarney é presidente.

Como no Brasil tem parecer pra tudo, teve um certo Joaquim Barbosa que desenterrou uma teoria de guerra para condenar José Dirceu; teve uma certa “Janaína 45 dinheiros”, que em nome de Deus (ou do diabo!)  fez lá um arrazoado que foi acolhido pelo insuspeito Eduardo Cunha, que depois de chantagear a Presidenta Dilma Rousseff, hoje está no comando da Nação. Cunha alimenta o velho espectro das eminências pardas, tipo Golbery do Couto e Silva ou do bruxo Ravengar, personagem do impagável Antônio Abujamra na telenovela “Que Rei Sou Eu”, produzida pela golpista Organizações Globo.

Escrevo a propósito de um certo Sérgio Moro, idolatrado por mal informados, falsos moralistas, coisa e tal. O Moro mesmo odiado pelos legalistas, democratas, pelos que defendem guerra a um sistema corrupto e não apenas a um ou outro corrupto eleito pela mídia ou por uma produtora de ódio qualquer. Afinal, costumo dizer: quando for para combater a corrupção pode me convocar. Não fiz outra coisa em mais de 30 anos na Polícia Federal - sempre me esquivando as farsas, claro!.

Volto ao Sérgio Moro que recentemente defendeu a aceitação da prova ilegal, desde que obtida de boa Fé. A essa altura, creio, a prova produzida contra Eduardo Cunha deve ter sido coletada de má fé, pois até agora para nada serviu. Contra Temer/Serra e seu rancho “meras suspeitas, citações aleatórias”, cuja “verdade real” tão buscada em pedalinhos e tríplex não se tem notícia. Mas, prenderam o Eduardo errado (Suplicy) por estar numa manifestação, enquanto Eduardo Cunha (solto) comanda os títeres do golpe, na maior farsa “legal” da história do País, na base do “quem compra o mais compra o menos”.

Moro defende prova ilegal. Tão ilegal quanto prende para confessar. Condução coercitiva disfarçada de convite irrecusável, divulgar gravações ilegais. Mas, na linha Sarney, deve ter parecer para isso. O mais surpreendente dessa história de prova ilegal de boa fé veio de quem ninguém esperaria. Gilmar Mendes, que nunca escondeu seu ódio ao PT, sua simpatia política por bandidos de estimação da “grande mídia”, disse para o tal Moro: quer dizer, então, que se uma confissão for obtida sob “tortura de boa fé, vale”?

O Episódio Sérgio Moro/Gilmar Mendes, no caso, lembrou o cineasta Augusto Boal, que numa entrevista a uma emissora do golpe, afirmou ter sido torturado e o próprio policial federal que o torturou disse que “foi tortura no bom sentido”. Boal que reconte com mais fidelidade essa história, pois quero voltar à prova ilegal, recorrendo ao Jurista Lenio Luiz Streck, que ironizou Moro: “A proposta atira fora o bebê junto com a água suja”.  Diz mais, sob pretexto de combater o crime, pode-se violar garantias e ilicitude mais boa-fé é igual a licitude. “Funcionaria muito bem em regimes totalitários” (Streck)

- Ah, Sérgio Moro! Conta essa pros capitães do mato da Farsa Jato (respeitadas as exceções). Moro, na defesa de sua tese no Parlamento, soube eu, existir até um quê de Cesare Lombroso, criminologista italiano (1835-1909) que criou os condenáveis perfis biológicos de criminosos – perfil lambrosiano. Quem tiver a orelha/nariz assim assado vai ser bandido. Por que isso? Moro defende também o “Minory Report”, uma futurologia cinematográfica (2002 - Tom Cruise/Steven Spielberg) na qual testes psiquiátrico-psicológicos ou divinos provam que no futuro alguém vai delinquir e deve ser exterminado antes que o faça. Algo assim, esse vai ser petista, mata!

Pau-de-arara de boa fé. É difícil ser precário, como eu, e tentar debater complexidades. Mas, ao defender a prova ilegal, Moro implicitamente confessa que já faz uso dela.

(*) Delegado da Polícia Federal aposentado

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

E o Cunha sumiu de vez


O destaque desta quarta feira no noticiário, especialmente da Globo e do Estadão está na pressa em acabar logo com o ato final do golpe parlamentar e correr com o impeachment de Dilma. E haja falação dos notórios tucanos na telinha e nas páginas do jornalão paulista. 

Enquanto isso... 

contas suiça cunha saia curta ONDE ANDA O PROCESSO CONTRA EDUARDO CUNHA???????

 



A "guerra fria" de Cristovam...

Uma historinha curiosa circulava na época da Guerra Fria e dava conta dos sonhos ocidentais de um eventual conflito entre a União Soviética e a China que, na visão da OTAN acabaria com os dois países. 

Contava a narrativa que "declarada a guerra entre a URSS e os chineses, no primeiro dia os soviéticos prenderam 17 milhões de chineses; no segundo dia esse número subiu para 32 milhões. No terceiro dia O Kremlin em Moscou recebeu um telegrama do primeiro ministro chinês com apenas três palavras: - Vocês se rendem?"

Pois não é que hoje isso se aplica inteiramente ao "senador" Cristovam Buarque, o único político brasileiro vítima de um processo de desvotação por sua posição a favor de impeachment de Dilma Roussef, tudo em troca de um cargo na Unesco o que provocou mais um mico protagonizado pelo único ministro de Lula demitido por telefone e por incompetência. 

Cristovam que processar todos os que comentaram, nas redes sociais a sua postura de trair seus próprios eleitores e todos os princípio da democracia ao aderir ao golpe parlamentar deste agosto de 2016. Haja cadeia para o número de brasilienses, candangos e brasileiros que condenaram o trânsfuga travestido de senador.

Eis o que diz a respeito o Site Brasília 247: 

Brasília 247 - O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) montou uma força-tarefa para monitorar as redes sociais. Segundo a Coluna do Estadão, a iniciativa tem como objetivo monitorar as críticas que o parlamentar vem recebendo por apoiar o impeachment da presidente eleita, Dilma Rousseff.

Cristovam vem sendo acusado de golpista e traidor nas redes sociais. Calúnias e difamações serão encaminhadas à Justiça. "O sectarismo está passando do limite e do bom senso", afirmou o senador.

O antigo partido de Cristovam, o PDT, fechou posição contrária ao afastamento da presidente Dilma. Antes de a legenda se posicionar oficialmente contra o impeachment, o senador migrou para o PPS, em fevereiro, por ter mais chances de ser candidato a presidente da República em 2018 - o PDT tem o ex-ministro Ciro Gomes (CE) como pré-candidato.

O PPS foi um dos partidos a favor do afastamento de Dilma e integra o primeiro escalão do governo do presidente interino, Michel Temer - Raul Junngmann (PE) é o atual ministro da Defesa.

Leia alguns exemplos de postagens em que leitores respondem a Cristovam no Twitter.

 
.

A charge








Nada mais explícito...

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Na onda do Neymar...

Seguindo a onda lançada pelo jogador de futebol Neymar nas redes sociais, o ditador interino, Mishell Temer também ganhou meme no Facebook. 





Bem claro, não é?

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

A equação



                                  C+J+M=G


Sendo que

C = Congresso  + Michel Temer + Eduardo Cunha


http://brazilcartoon.com/upload/img1_desenhos_20110717231541798.jpgJ = Supremo Tribunal Federal + Janot + Moro


M = Grande Mídia = Veja + Globo + Estadão + Folha





E, por fim:




                                   G = GOLPE



 

E continua a novela...

Em mais um eletrizante capítulo da novela "Eduardo Cunha", o atual ocupante da Presidência da Câmara, o filho de Cezar Maia, afirmou que vai manter a votação da cassação do marido da Cláudia Cruz para o dia 12 de setembro, uma segunda feira, quando o "quorum" médio da Câmara é de apenas 50 deputados nos seus melhores dias. 




Tá na cara que o o filhotinho do Maia está acumpliciado com o mais corrupto das atuais "Excrecências" do Parlamento brasileiro.

(*) charge de Carlos Caminha

A frase

Uma das mais importantes figuras políticas do Brasil no século XX foi sem dúvida Leonel de Moura Brizola. 

Muitas de suas frases ficaram para a história e mostram hoje uma inacreditável realidade, mesmo que passada décadas em que foram ditas. 

Esta, por exemplo, é uma delas: 



"Se você tiver dúvida de que lado estou, veja de que lado estão os banqueiros, a TV Globo, a Veja e os fascistas. Bom, eu estou do outro lado"